logo
Filhas e filhos da alma!

Retrospectiva Íntima

Ante a Palavra do Cristo

Quando Deus Criou as Mães

O perfume do bem

Planejamento

Mais Mensagens...
Inicial
Nossa História
O que é o Espiritismo
Conheça Allan Kardec
Obras Básicas
Departamentos
Horários de Funcionamento
Palestras
Boletim do Caminho
Clube do livro
Livraria
Notícias
Artigos
Biografias
Mensagens
Mídia Espírita
Galeria de imagens
Outros sites
Fale Conosco

Siga-nos no Twitter
@SECAD_
/Artigos/Injusticas-socias/

Injustiças socias

 Divaldo Franco
 
Diante do sofrimento das massas humanas, nos mais diferentes sistemas governamentais pelo mundo, destaca-se a injustiça social que responde pela miséria de diversas expressões que se expande terrivelmente...
 
As promessas antes das eleições nos governos democráticos fascinam as multidões, especialmente aquelas que são menos aquinhoadas pelo conhecimento, que se rebolcam nos guetos em que se encontram ou nas ruas apinhadas, mas logo passa o período das eleições e são arquivadas. Homens e mulheres que se apresentavam com posturas confiáveis e com discurso lúcido, chegando ao poder permitem-se corromper pelos vícios existentes e esquecem-se do povo que os elegeu.
 
Invariavelmente preocupam-se com os programas dos partidos aos quais pertencem, com os grupos a que se vincularam e repartem entre eles as fatias saborosas do poder, preservando tudo aquilo quanto combatiam com vigor.
 
...E a miséria prossegue em liberdade ameaçando ou aniquilando as esperanças de melhores dias.
 
No Império Romano, por exemplo, a grande preocupação de alguns poderosos era distrair os desocupados, entenda-se: os sem teto, os sem trabalho, os sem direitos de cidadania com o panem et circenses, com o que os divertia, a fim de que esquecessem o abandono a que eram relegados, dando lugar a espetáculos de hediondez que ficaram célebres na memória da História...
 
Infelizmente, ainda hoje o expediente nefando é utilizado por alguns governos insensíveis que oferecem circo e nem sequer ofertam pão...
 
O clamor da miséria, no entanto, é muito poderoso, e foi esse estado que se responsabilizou pela Revolução Francesa de 1789 e inúmeras outras, culminando, na atualidade, com a denominada Primavera Árabe, que vem tentando retirar do poder verdadeiros sicários dos seus países. As injustiças sociais não são resolvidas com migalhas, com soluções apressadas em decorrência do medo, quando passam de vítimas a ameaçadoras, mas através de leis nobres e bem aplicadas. 
 
 
Texto da Coluna Quinzenal de Divaldo Franco - Jornal A Tarde/Salvador - 2ª feira 08/07/2013.

 


Revista Afinal

Alerta

A Ecologia à luz do Espiritismo

Comer carne ou ser vegetariano

A Ecologia à luz do Espiritismo

Ainda sobre o livro de Humberto de Campos

Duas Questões de Direito Penal

A lição mais importante

Páscoa e Reforma Íntima

Evangelho e simplicidade

O Espiritismo e o livre arbítrio

Apenas dois títulos

Natal e Ano Novo

Reencarnação existe sim, na Bíblia - Jesus conscientiza

Deus, o refúgio de sempre

A Medicina oficial se abre para a questão espiritual.

Viver feliz

Dois destinos

Sempre é tempo de recomeçar

Amar é uma decisão

A terapia da esperança

Sensação de Natal

Concisa explanação a propósito dessa tal felicidade

A utilidade da infância

Entrevista com Jorge Maurício - Jornal Semanal de Três de Maio

A desencarnação é a certeza futura que temos.

O sexo é sinônimo de felicidade?

87 anos

Esperança

Solidariedade

Pineal, a glândula da vida mental

Beber alcoólicos é um flagelo Social

A missão da paternidade

Não há efeito sem causa, logo, Deus existe!

Recados do céu

A opinião de Deus

Visão Espírita da Páscoa

O "nada" e a "sorte" explicam o universo?

A fé derruba obstáculos

Doe palavras

Caridade e trabalho voluntário

Um Pouco sobre o Espiritismo

A família

Evangelização Infanto-Juvenil: Necessidade urgente!

Os porquês da vida

As Propostas Espíritas em Face da Violência Social

© Sociedade Espírita Caminho de Damasco (Santa Rosa - RS) - Sítio Eletrônico