logo
Filhas e filhos da alma!

Retrospectiva Íntima

Ante a Palavra do Cristo

Quando Deus Criou as Mães

O perfume do bem

Planejamento

Mais Mensagens...
Inicial
Nossa História
O que é o Espiritismo
Conheça Allan Kardec
Obras Básicas
Departamentos
Horários de Funcionamento
Palestras
Boletim do Caminho
Clube do livro
Livraria
Notícias
Artigos
Biografias
Mensagens
Mídia Espírita
Galeria de imagens
Outros sites
Fale Conosco

Siga-nos no Twitter
@SECAD_
/Artigos/A-opiniao-de-Deus/

A opinião de Deus

          Luis Roberto Scholl
 
             Entre as pessoas que se preocupam com a “opinião de Deus” sobre as suas atitudes, muitas se perguntam se Ele as aprova ou não. Por atavismo, ainda tem força a antiga ideia de um Deus antropomórfico (descrito ou concebido em forma humana ou com atributos humanos) que, do alto de seu Reino, por detrás das nuvens, fica a espreita julgando os homens, premiando os que acertam e condenando os que erram.
 
                 Afinal, o que Deus quer de nós?
 
             Os Espíritos superiores afirmam que Deus (a Inteligência Suprema e Causa Primária de todas as coisas)1 se ocupa sim, de todos os seres que criou, por menores que sejam. Nada é demasiado pequeno para Sua bondade.2
 
            Ao criar todos os seres em simplicidade, ignorância e igualdade de condições, colocou como fatalidade a evolução - crescer em inteligência (sabedoria) e bondade (amor), para assim atingir a felicidade destinada aos bons Espíritos. Partindo do princípio inteligente para a perfeição relativa, esta felicidade consiste “em conhecerem todas as coisas; em não sentirem ódio, nem ciúme, nem inveja, nem ambição, nem qualquer das paixões que causam as desgraças dos homens. Para eles (os bons Espíritos), o amor que os une é fonte de suprema felicidade.”3 
 
            Para chegarem a este fim, o Criador instituiu leis sábias e justas, entendidas através do conhecimento espírita: lei de progresso, de causa e efeito e de reencarnação, proporcionando aos seres inteligentes da criação uma das maiores dádivas: o LIVRE ARBÍTRIO. 
 
            Com a liberdade de ação, vem a responsabilidade, pois, para que cheguemos à perfeição e felicidade, o Pai estabeleceu leis que regulam todas as nossas ações. Quando se comete um erro, Deus não profere um julgamento condenatório; o próprio excesso, representado pelo ultrapassar limites, traz consequências danosas ao infrator, seja no campo material (a gula resulta em doenças e consequências físicas), seja no campo moral (o egoísmo, ódio, inveja com resultados como os distúrbios psicológicos e emocionais). As leis divinas se autorregulam sem a necessidade de ter um juiz ou um tribunal, a não ser o da própria consciência.
 
            A única fatalidade para o Espírito imortal é chegar à perfeição e para que isso aconteça são necessárias inúmeras reencarnações, com o objetivo de resgatar equívocos do passado e, principalmente, aprender lições novas; o que pode diferenciar um ser do outro é a maneira e o tempo que cada um levará para conquistar a perfeição.
 
            Deus quer que sejamos felizes, a partir de agora. Para isso atrelou esta felicidade à lei de amor e caridade, fazendo com que ela só possa ser sentida quando compartilhada, instituindo a caridade como expressão de Sua vontade, para que, desta forma, possa se superar o personalismo e o egoísmo que ainda predominam no ser.
 
 
Luis Roberto Scholl
1KARDEC, Allan. O Livro dos Espíritos. Edição Especial - Rio de Janeiro: FEB, 2007, questão 1.
2______.______. questão 963.
3______.______. questão 967. 

Revista Afinal

Alerta

A Ecologia à luz do Espiritismo

Comer carne ou ser vegetariano

A Ecologia à luz do Espiritismo

Ainda sobre o livro de Humberto de Campos

Duas Questões de Direito Penal

A lição mais importante

Páscoa e Reforma Íntima

Evangelho e simplicidade

O Espiritismo e o livre arbítrio

Apenas dois títulos

Natal e Ano Novo

Reencarnação existe sim, na Bíblia - Jesus conscientiza

Deus, o refúgio de sempre

A Medicina oficial se abre para a questão espiritual.

Viver feliz

Injustiças socias

Dois destinos

Sempre é tempo de recomeçar

Amar é uma decisão

A terapia da esperança

Sensação de Natal

Concisa explanação a propósito dessa tal felicidade

A utilidade da infância

Entrevista com Jorge Maurício - Jornal Semanal de Três de Maio

A desencarnação é a certeza futura que temos.

O sexo é sinônimo de felicidade?

87 anos

Esperança

Solidariedade

Pineal, a glândula da vida mental

Beber alcoólicos é um flagelo Social

A missão da paternidade

Não há efeito sem causa, logo, Deus existe!

Recados do céu

Visão Espírita da Páscoa

O "nada" e a "sorte" explicam o universo?

A fé derruba obstáculos

Doe palavras

Caridade e trabalho voluntário

Um Pouco sobre o Espiritismo

A família

Evangelização Infanto-Juvenil: Necessidade urgente!

Os porquês da vida

As Propostas Espíritas em Face da Violência Social

© Sociedade Espírita Caminho de Damasco (Santa Rosa - RS) - Sítio Eletrônico